Personalidades

 

 

Literatura

 

 

Wole Soyinka, primeiro negro Prêmio Nobel da Literatura

 

        Wole Soyinka, nigeriano, foi o primeiro africano e escritor negro a receber, em 1986, um prêmio Nobel de Literatura. A comissão que lhe outorgou o prêmio considerou Soyinka, autor de mais de vinte obras, como um dos mais refinados dramaturgos contemporâneos e classificou seus textos de cheios de vida e do sentido de urgência. Soyinka já havia recebido importantes prêmios literários e o título de doutor honoris causa de universidades de vários países, além de ter sido um pioneiro no uso da língua inglesa na dramaturgia africana.

A sua atividade criadora inclui não só o teatro, como o romance, a novela, a poesia, o ensaio, a direção teatral e uma atuação muito destacada entre o grande público como um engajado comentarista político. Suas obras oferecem um retrato lúcido e amargo da Nigéria contemporânea.

Para ele, “o compromisso social é próprio de todo o cidadão, seja ele um operário, um fazendeiro ou um banqueiro (...). Antes de tudo eu me comprometo com os valores da liberdade, da verdade e da justiça”. Em mais de 40 anos de carreira, a defesa desses valores custou a Soyinka a prisão durante a guerra civil de Biafra, que dividiu o seu país entre 1967 e 1970, e o exílio, durante seis anos, em Gana e na Europa, durante os recentes anos mais duros do regime militar nigeriano.

Wole Soyinka nasceu a 13 de julho de 1934, em Abeokuta, tradicional cidade ioruba no oeste da Nigéria. Os haussas, ao norte, os ibos no sudeste e os iorubas formam as três maiores etnias da Nigéria. Embora seus pais tenham se convertido ao cristianismo, Wole manteve-se fiel à visão de mundo ioruba e à sua religião, “onde se sente mais em casa”. É filho de Ogum, orixá muito proeminente em seus escritos.

No entanto, completou o ensino fundamental e médio em instituições coloniais. A sua vida universitária começou em 1954, na Universidade de Ibadan, e continuou na Inglaterra, na Universidade de Leeds, onde se licenciou em Literatura, em 1957. Passou os três anos seguintes lecionando no Royal Court Theatre de Londres, regressando à Nigéria em 1960, ano da independência do país, com uma bolsa da Fundação Rockefeller para pesquisar a cultura e a literatura oral e escrita nigerianas.

Grande parte das suas obras reflete essa vivência das tradições e o entrelaçamento delas com a árdua luta pela sobrevivência na vida “moderna” das classes pobres dos subúrbios de Lagos, ex-capital do país (a atual é Abuja), cuja área metropolitana abriga mais de dez milhões de habitantes. Esta realidade está muito viva na sua peça de 1996, The Bestification of Area Boy.

Numa peça de 1975, Death and the King’s Horses, Soyinka advertia os intelectuais e dirigentes do continente que não deviam mitificar o passado ao forjar o destino do seu país. Já nos anos 60, Soyinka criticava o conceito de negritude, defendido por Senghor e os intelectuais francófonos. Ele preferia a expressão african personality (personalidade africana), não tão presa a uma marca racial e a uma África idealizada. Nessa querela, Soyinka criou a expressão irônica de tigritude, alegando que o tigre não proclama sua tigritude, ele ataca. Senghor conciliou: “... mas o tigre não fala”.

A opção de Wole Soyinka pela língua inglesa nas suas obras literária não se reduz à procura pelo acesso de um público internacional. É que só através do inglês, língua oficial do seu país, ele pode ser lido pelos nigerianos como um todo, já que são várias as línguas faladas e escritas regionalmente.

Três das suas recentes peças, contêm críticas duras aos presidentes nigerianos: The Man Died, ao general Gowon; Priority Projects, ao corrupto civil Shagary e The Open Sore of Continent, ao ditador-general Abacha. É o exercício constante da cidadania, concomitante com o ofício do escritor Wole Soyinka, prêmio Nobel de Literatura.